quarta-feira

Palhaço é coisa de criança?

O palhaço, uma figura que habita o imaginário coletivo das pessoas, geralmente é associado a criança, como se sua atuação fosse destinada apenas para esta faixa etária. E muitas pessoas dizem em alto e bom som, que “palhaço é coisa de criança”, mas será que é mesmo?
E de que criança se está falando?
É fato que todo palhaço é meio bobo, desajustado, engraçado, não se enquadra dentro dos padrões, é quase sempre muito colorido, excêntrico, as vezes ácido, as vezes doce, mas sempre movido por uma inocência e uma crença nas coisas e uma surpresa com tudo, que é muito característico das crianças. As crianças se identificam com esta figura, se identificam com sua falta de habilidades para ser sério.
Mas é sempre bom lembrar, que como todos fomos crianças um dia, esta energia infantil que o palhaço traz a cena, fala também para a criança que fomos. Interage conosco e transforma nosso olhar para o mundo que nos rodeia. O palhaço nos lembra como é bom brincar, nos lembra que não há necessidade de sermos sérios o tempo todo, nos lembra de nos surpreendermos com as pequenas coisas e de nos encantarmos com a possibilidade de vida e de morte em cada momento da vida.

Neste caso, acho que palhaço é coisa mesmo de criança, daquelas que já foram e daquelas que ainda são. Mas palhaço é coisa de gente grande, porque ele é gente grande também, só que com um olhar torto e desviado da criança. Aparece e desaparece da nossa frente, mas se mantém intacto no nosso imaginário, como figura que nos trás alegria! E vamos combinar, alegria é essencial para todas as idades, tamanhos, crenças e opções na vida.